30 de mar de 2015

LISTA DE FURNAS: A grana de Aécio et caterva


A "Lista de Furnas" é um documento sobre um suposto esquema de caixa dois nas eleições de 2002, cuja autenticidade já foi confirmada, após c está sob investigação da Polícia Federal - é essencialmente uma lista tucana.

Os candidatos do PSDB teriam ficado com mais de dois terços (68,3%) dos R$39,9 milhões que teriam sido distribuídos a 156 políticos por empresas fornecedoras da última grande estatal do ramo elétrico. O PFL, no caso, fica com um segundo lugar bem distante, 9,3%.

Os mensaleiros de Minas



Candidato a governador, Aécio Neves recebeu R$ 5.500.000,00. Em seguida, pela ordem, vieram os candidatos  ao senado, Eduardo Azeredo (550 mil) e Hélio Costa (400 mil).


O documento ainda registra o repasse do dinheiro aos deputados federais  (R$ 3.800.000,00), bem como a entrega de R$ 695   mil reais à Sra. Andréa Neves, irmã de Aécio.

E ficam aí os tucanos querendo dar de moralistas, quando estão mais para "amor às listas". Malandros.


29 de mar de 2015

LISTAS DE FURNAS: Moral tucana = cocô de tucano

Tucanos meteram o bico na grana de Furnas e agora querem posar de honestos.  Avocam para si valores que não têm. Cleptocratas da Nova Ordem, têm muito o que explicar. A começar pela Lista de Furnas.


Os tucanos querem apregoar ética e decência, honra e moral, mas carece de todos esses valores, constituindo-se em oposição  pútrida. Eles “mamaram” gorda grana no chamado “Mensalão Mineiro” – na verdade, a famosa “Listas de Furnas”.
Nessa tal “Lista de Furnas” existem cleptocratas de todos os calibres, cada qual remunerado de acordo. Começa pela grana do presidenciável José Serra, candidato tucano a presidente, pelo que recebeu R$ 3.500.00,00 no 1º turno e mais R$ 3.500.000,00 no segundo. Segue a lista de São Paulo, onde Geraldo Alckmin, como candidato a governador, recebeu R$ 3.500.000,00 no 1º turno e R$ 5.500.000,00, dois milhões a mais do que recebeu Serra, prova de que o mais importante era assegurar São Paulo.

Já José Aníbal (PSDB), candidato ao Senado, foi contemplado com R$500 mil reais. Seguem-se os candidatos s deputado federal, onde o primeiro da lista, o liberal Waldemar Costa Neto, “mamou” fácil os seus R$ 250 mil.

O trio Vadão Gomes, Alberto Goldman e Antônio Carlos Panunzio foi contemplado com R$ 150 mil cada. Noi bloco dos R$ 100 mil per capita aparecem Walter Feldman, Gilberto Kassab, João Batista, Luiz Antônio Fleury, Luiz Antônio Medeiros, Nelson Marquezelli, Robson Tuma e Arnaldo Faria de Sá.

Com R$ 75 mil reais foram agraciados Zulaiê Cobra, Chico Sardelli, Xico Graziano, Dimas Ramalho e Antônio Carlos Mendes. Luiz Carlos Santos e João Batista receberam R$ 70 mil cada.

Aloysio Nunes Ferreira, hoje senador, Carlos Sampaio, Lobbe Netto, Sílvio Torres e Walter Barelli, formam o time dos R$ 50 mil cada. Mas o rol dos lalaus é mais extenso. Temossinds Rio e Minas na roubalheira.


Já-já a grana de Aécio, da irmã dele e a dos demais tucanos das Minas gerais.

Tucanos doidivanos , tartufos, pés-de-cana...

O vereador Anselmo Pereira (PSDB), presidente da Câmara de Goiânia, anuncia que proporá criação de uma comissão para avaliar os contratos de obras da prefeitura. 

Anselminho quer aparecer perante o líder do PSDB na Casa, que é o governador Perillo. Se Anselmo acha absurdo um contrato com a prefeitura ter sido reajustado de R$ 6 milhões para R$  30 mi, gostaríamos de ouvi-lo sobre as obras contratadas  pelo governador.

Fale sobre isso, Anselmo. Fale do HUGO 2, cujo custo passou de 57 para 163 milhões.

Fale do Centro de Excelência do Esporte, que de 39 mi hoje custa 105 milhões.

Fale do sistema de águas da Saneago, licitado por 183 e já nos custa 331 milhões.

Fale do Aeroporto de Cargas de Anápolis, contratado por 94 milhões e que já chegou aos 230 milhões.

Fale, Anselmo. Fale do festival de aditivos do governador Marconi.

Cabo de chicote

Anselmo é usado para bater em Paulo Garcia. Paulo que tem erros, que deveria ter dado um jeito na Comurg e solucionado de vez o problema do lixo. Agora, absurdo é culpá-lo pelo trânsito, que de longa data se agrava, sem que qualquer medida fosse adotada por nenhum dos prefeitos que antecederam a Íris e a ele.

Sob o controle do Palácio, a mídia boicota os feitos de Garcia, que não são poucos. Esconde escolas, CAIS reformados, nova maternidade etc.. Não conta que prefeitos interioranos depositam doentes aqui na Capital, embors tenham as verbas do SUS para atendê-los.

Há programas televisivos orientado$ para de$ca$car a madeira no prefeito. Ordem do Perillo, que quer ganhar a prefeitura a qualquer custo. Desçam a mutamba - eis a ordem. Um apresentador de TV até perdeu o emprego, quando o patrão descobriu o contrato milionário que o tal mantinha com a AGETOP, cujo presidente sonha em comandar o Paço Municipal.

Conheço os políticos goianos como a palma da mão. Os opositores a Paulo não têm um milionésimo de sua moral, de sua decência, de sua ética, da sua honra nem mesmo para amarrar os seus sapatos.

Creio que um pouco de jornalismo sério, investigativo, independente, será salutar nesses tempos em que preponderam em Goiás a tirania, a mentira, a infâmia, a corrupção, a roubalheira, os desmandos e a violência.

De Ruy para os amigos

“A pátria não é ninguém; são todos; e cada qual tem no seio dela o mesmo direito à ideia, à palavra, à associação. A pátria não é um sistema, nem uma seita, nem um monopólio, nem uma forma de governo; é o céu, o solo, o povo, a tradição, a consciência, o lar, o berço dos filhos e o túmulo dos antepassados, a comunhão da lei, da língua e da liberdade.”

Cuidemos dessa pátria. Não permitamos que maiorias oprimam minorias, que brancos hostilizem negros e que os ricos impeçam as conquistas dos pobres. Não podemos continuar falando em igualdade, quando tudo fazemos para estabelecer diferenças.

Levantemos, todos de pé. Os grandes só são grandes porque permanecemos de joelhos.




28 de mar de 2015

Marconi propõe "Lei Mão de Vaca" contra servidores

Marconi Perillo enviou à Assembleia Legislativa goiana, no último dia 20 de março, projeto de lei que "altera e acresce dispositivos às Leis 10.460/88 - Estatuto dos Servidores Públicos do Estado de Goiás, e Lei 13.909/01". Na verdade, “rouba” direitos dos servidores.

O dito projeto, se aprovado, vai mudar as regras para o pagamento dos quinquênios (gratificação por tempo de serviço do pessoal efetivo), que passará a ser feito a partir do mês de janeiro subsequente ao ano em que cada quinquênio for completado e não mais a partir do dia de sua implementação, como é direito do servidor (art. 170 § 1º da Lei 10.460/88).

O seu saco de maldades legislativas contra os servidores também modifica as regras referentes  às faltas ao serviço passíveis de serem abonadas -  não poderão exceder a três faltas mensais e/ou dezoito no ano, mesmo com a apresentação de atestados médicos.

Vossa Excelência justifica o debulho alegando a necessidade de "racionalização dos custos da máquina pública". Ora, meu senhor. Como “racionalização de custos”, se, em atos pretéritos, leis de sua lavra foram aprovadas para perdoar bilhões em multas, beneficiando contumazes burladores do fisco – um deles seu suplente de senador, inclusive!?!

O senhor, mais uma vez, se serviu do servidor para reeleger-se e agora o apunhala, tal como fez e faz com os seus amigos. Quer reduzir custos? Aditive menos e não haverá reclamação de caixa sem fundos.

Em tempo: moral é tesouro que, perdido, não tem quem o substitua ou compense. Inexistem aditivos morais.


27 de mar de 2015

Prefeitos sonegam tratamento e despejam doentes nos CAIS de Goiânia

Prefeitos interioranos montam casas na Capital e despejam centenas de doentes, ao invés de tratá-los em suas cidades. E nem só prefeitos. Há deputados estaduais, também. Aí não há cristão que aguente. Isso é uma vergonha.
Tem toda razão o cidadão que reclama de superlotação dos CAIS, em Goiânia. Não bastasse a crise gerada pela reforma de seus prédios, os CAIS em funcionamento são, realmente, insuficientes para atender à demanda persistentemente crescente.
E tome paulada no prefeito Paulo Garcia, que gasta os recursos do SUS pertencentes ao seu município para socorrer os doentes mandados pelos demais – Aparecida, do Sr. Maguito Vilela, inclusive. Idem Catalão, de Jardel Sebba. Vem gente até deoutros Estados, principalmente do Nordeste.

Detalhe: a Prefeitura de Goiânia banca a assistência dos forasteiros mas não é ressarcida dos gastos. Fico a pensar o que estarão os prefeitos s fazer com o dinheiro que o SUS lhes repassa.

Falando em CAIS, fui à vila Novo Horizonte para levantar as bocas de droga ali existentes, quando me vi na porta da unidade de saúde ali existente: o CAIS velho havia sido demolido e outro foi erguido no local. Uma beleza.

Segundo o pessoal, assim  também ficarão os demais. O das Amendoeiras será ampliado, tipo hospital.

Detalhe: em momento algum vi, ouvi ou li algo na mídia. Vi os telejornais pregando o prefeito na cruz por conta das superlotação dos CAIS, mas nenhum deles focou o caso dos prefeitos que despejam doentes nas Capital.

De bom alvitre seria se também divulgassem os acertos do prefeito.